Brigadeiro de panela

POR LUCIANE CASANOVA – Fim de ano chegou. Hora de descansar. Seria exatamente isso, se não fosse a São Silvestre, aliás, prova encantadora.saosilvestre

Apesar de todo ano ser a mesma coisa: muita gente, pouca água, medalha mais ou menos, camisa mais ou menos, o que fica mesmo é o sentimento bom e a energia insuperável dessa prova.

Minha primeira participação foi em 2012, quando a largada ainda era à tarde. Um sol escaldante. Lembro como se fosse hoje. Era tanta ansiedade. O sol bravo daria inveja até à Tieta do Agreste. Cheguei cedo e fiquei algumas horas olhando cada rosto, cada corredor fantasiado. Eu estava ali no meio da Paulista quando muitos estavam na praia. Coisa de doido né?

E esse ano tudo se repete. Tenho visto o povo nervoso, treinando debaixo de sol. Também estou nessa vibe. Tensa. Há tempos atrás, corria ao meio dia e rezava para no dia da prova pegar temperatura de 40 graus. Hoje, estremeço só de pensar que fará mais de 30. Coisas da idade, ou da maturidade.

Fato é que dia 31 está batendo à nossa porta. E o que esperar nesse calorão? Esperar a mesma energia. Sei que será difícil, mas também sei que nós corredores temos nosso guerreiro adormecido.

O importante é curtir, sem pressão, sem que fazer um bom tempo seja a prioridade . Não há mistério. Façamos o que mais sabemos e o que mais gostamos: correr. E que seja com alma, com coração, com raça, com graça. Que seja com adrenalina, com desejo de passar cada quilômetro como se fosse o último. Que seja com entusiasmo, com incentivo àqueles que certamente caminharão.

Lembrem-se que vencedores não são somente aqueles que abrirão a champanhe no pódio, esses são verdadeiros thundercats. Todos nós seremos vencedores quando avisarmos a linha de chegada. E ela estará tão próxima quando chegarmos na tão falada Avenida Brigadeiro.

E por que não fazer desse momento o mais doce de todos? Sim, transformar a temida Brigadeiro, em Brigadeiro de panela…hummm…brigadeiro de panela, daqueles que curtimos cada minuto, esperando que nunca acabe, que nunca termine e que quando chega ao fim, fica mesmo o gostinho de quero mais.

Talvez seja esse o segredo da Silvestre. Que seja doce para todos!!!! Nos vemos lá.

#correrbemparacorrersempre

 

One Response
  1. Edson Castilho 2 anos ago

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *