Cuidados com a saúde da mulher atleta

Mulheres estão mais propensas a queixas no joelho e precisam estar atentas às mudanças que ocorrem no corpo devido ao treinamento

Ser mulher é ser especial. Ser mulher no esporte não poderia ser diferente. Mulheres possuem peculiaridades estruturais e fisiológicas que devem ser consideradas durante a prática e monitoramento da atividade física.

O número de esportistas do sexo feminino tem crescido em diversas modalidades. Mulheres de todas as idades procuram a atividade física para recreação, saúde, controle de peso, interação social ou competição. Mas como todo atleta, precisam estar atentas ao risco de lesão, como lesões na região do joelho, que é uma das articulações mais propensas a queixas no sexo feminino. Em especial lesão do Ligamento Cruzado Anterior (LCA), dor patelofemoral ou dor anterior no joelho e fraturas por estresse.

Características estruturais e fisiológicas, como a biomecânica do membro inferior na marcha e na corrida, força muscular, controle motor e taxa de gordura corporal mais elevada estão entre os elementos que devem ser levados em consideração no treinamento de mulheres. Estudos indicam que mulheres que participam de esportes de salto têm de quatro a seis vezes mais chances de sofrer lesões na articulação do joelho. A incidência da lesão do LCA sem contato em mulheres é de seis a oito vezes maior do que em homens nos mesmos esportes.

A dor anterior no joelho, que pode acontecer durante o agachamento, corrida, subir e descer escadas, entre corredores, ocorre quase duas vezes mais em mulheres que em homens. As fraturas por estresse também estão entre as lesões que acometem mais o sexo feminino e pode ser decorrente de outras mudanças no corpo da atleta.

Atenção também para as mudanças no corpo: conheça a tríade da mulher atleta

Descrita pela primeira vez no American College of Sports Medicine (ACSM), a tríade possui três componentes: distúrbio alimentar, hormonal e ósseo. O distúrbio alimentar caracterizado por baixa disponibilidade energética com ou sem transtornos alimentares, o hormonal pela ausência de menstruação e o ósseo pelos processos de desmineralização óssea, a osteopenia e osteoporose. Esses três fatores interagem de forma complexa e devem ser detectados de forma precoce para maximizar a prevenção.

E como as mulheres podem prevenir essas lesões?

O importante é ter equilíbrio! Equilíbrio energético, muscular, articular e também do treinamento. A prevenção de lesão nesse público é feito pelo fortalecimento muscular, com uma boa avaliação e foco individualizado nas necessidades da atleta. Exercícios feitos no treinamento funcional e pilates são ótimas escolhas pois promovem o ganho de força muscular e de controle motor.

Mas não só os músculos precisam ser trabalhados, o acompanhamento nutricional é peça chave na perfomance dessas atletas, não só na hora do esporte, mas para alcançar o equilíbrio no dia a dia. O acompanhamento uro – ginecológico, com profissionais especializados, auxilia no acompanhamento dessas e outras modificações como a incontinência urinária.

*Colaborou: Evany Salvador (fisioterapeuta da LifeSquare)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.