Lugares onde somos aceitos (e podemos correr) de forma segura

Atenção: Esta publicação contém muita esperança

POR DARLAN SOUZA – As restrições de viagens (necessárias) durante a pandemia do Covid-19, afetaram em cheio os planos de muitos corredores que estavam com os treinos em dia para seus desafios, seja no Brasil ou fora. O clima de frustração era tão grande que muitos que conheci, simplesmente abandonaram todos os treinos, chegando a ficar 40 a 50 dias sem fazer absolutamente nada. Em termos de saúde física, isso não é nada bom, em termos de saúde mental, pior ainda.

Com o avanço acelerado da vacinação em outros países, e a redução e controle dos casos, estava eu aqui esperançoso e acompanhando a lista de países com as fronteiras abertas para nos receber, para usar logo os vouchers das cias aéreas (depois do cancelamento em massa de eventos e vÔos).

Por que fui correr na Finlândia?

1) Porque faz a Finlândia faz parte dos países abertos para nos receber como a África do Sul, Colômbia, México, Catar, Emirados Árabes, Alemanha, Croácia, França, Irlanda e Suiça.

2) Embora alguns destes países citados acima, nos recebam e estejam abertos, alguns solicitam o teste RT-PCR 48h antes do embarque e outros uma quarentena, o que deixa o valor mais elevado da viagem. A Finlândia apenas exige que esteja vacinado (com as vacinas autorizadas na União Européia).

3) Os casos de Covid-19 são muito baixos, para não dizer raro por aqui, eles fazem parte dos países considerados Green List da Covid-19 (O Brasil infelizmente é Red List).

4) O país tem um diferencial importante, pois faz parte do círculo polar ártico, além de falarem fluente o inglês, facilitando a comunicação.

5) Tem a fama de ser um dos países mais organizados e felizes do mundo, e tem um IDH elevadíssimo (0.88).

6) Havia uma prova que estava nos meus planos há anos (vocês também tem a runlist?), que poucos no Brasil falam e conhecem, ela ocorre sem interrupção desde 1992 na cidade de Turku, no sul da Finlândia, ela se chama Paavo Nurmi Marathon Turku e homenageia merecidamente o campeão olímpico finlandês Paavo Nurmi.

Para quem não sabe, ele conquistou 13 medalhas olímpicas, sendo 9 de ouro e 4 de prata nas distâncias de 1.500 a 10.000 nas olimpíadas de 1920/1924 e 1928). Seu método de treinos? O interval training, pouco falado na época e muito usado por ele em seu programa de treinamento. Paavo Nurmi, assim como Emil Zatopek (este ganhou até a São Silvestre), fazem parte do seleto grupo de atletas do leste europeu que dominavam o cenário running, antes da chegada dos africanos.

Pois bem, a prova aqui na sua cidade natal atende todos os públicos, com distâncias infantil 800m e de 1.2km, já a adulto tinha Inscricão de 5, 10, meia e maratona com percurso plano, frio e contemplando uma passagem por sua estátua em uma esquina do rio Aura.

Os protocolos de segurança, por aqui são o tradicional uso de máscaras em ambientes fechados, assim como a utilização do álcool em gel e evitar aglomerações desnecessárias. Pode correr livre sem máscara, só não pode reclamar do frio e da fina chuva, que derruba a temperatura em questão de segundos por aqui e para eles é normal e pouco se importam com isso.

Bom, na largada todos os 2.000 corredores estavam bem separados educadamente e o pós prova, tudo bem mais espaçado. Para retirar a (bela) medalha e uns alimentos era necessário caminhar mais uns 800 metros a frente e sair da arena do evento rapidamente. Nada demais do que estamos acostumados.

Paavo Nurmi é um ídolo nacional por aqui, e todos se emocionam ao falar dele, mas emoção maior é poder correr uma maratona novamente depois de 2 anos sem usar máscaras, e ter esperança de dias melhores no Brasil e no mundo. E tudo isso nos faz refletir o quanto temos de ser gratos, por estarmos aqui íntegros e vivos para fazer o que mais gostamos, que é viajar e se exercitar e cuidar de nossa saúde.

Para terminar este nosso assunto e conhecer mais sobre a cultura do povo finlandês: Ouviu falar de “Finnish Way of Life: Sisu?”

Pessoal, embora esse não seja o momento ideal para viajar a turismo, temos que reconhecer que para quem gosta de viajar, está vacinado e se sente seguro para fazer uma trip para correr uma prova fora, é bom pesquisar bem onde podemos ir e de forma mais segura possível correr uma boa prova, além trazer energias renovadas e novas experiências.

Seguiremos #EMTREINAMENTO

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *