Adeus 2020: o ano em que tivemos que nos reinventamos

Os atletas são de fato seres muito especiais. Enfrentam as dificuldades, continuam em frente apesar de todas as mudanças.  

POR WÂNIA RENNÓ SIERRA – Sem dúvida nenhuma um dos anos mais difíceis de nossas vidas. Um ano onde tivemos que nos reinventar.  2020 ficará na nossa memória como o ano em que tivemos que aprender a fazer tudo diferente. O distanciamento social, mudamos a forma de trabalhar, tivemos que usar mais recursos online do que imaginávamos, mudamos nossa percepção de nossas emoções. Fizemos aulas e treinos online. Quem diria que um dia isso iria acontecer?

Nos fechamos em casa, mas de uma forma incrível, nos abrimos para nosso eu, passamos a olhar para dentro de nós. Todas as sensações foram exacerbadas. Nos sentimos mais frágeis, mais inseguros, ansiosos, às vezes deprimidos, fóbicos, amedrontados pela COVID19, pelas perdas de parentes e amigos. E passamos a tentar entender nossas novas emoções e melhorá-las de alguma forma.    Entendemos que pedir ajuda faz parte desses momentos difíceis.  E buscamos mais ajuda de profissionais. Sim, tudo mudou esse ano.

Para os atletas acostumados a participar de inúmeras provas, a treinar nos parques, nas ruas, tudo mudou. Os treinos mudaram para esteiras dentro das casas, os pesos das academias foram trocados por pesos de objetos e as vezes mantimentos que temos em nossas casas. Mais do que nunca precisávamos continuar a treinar, pois todo atleta sabe que o esporte auxilia no trabalho das emoções e sentimentos que todos estavam experimentando. E além de tudo, atleta que é atleta, ama o que faz e nunca para.

A ansiedade que já é velha conhecida dos esportes, se tornou mais presente nesse ano. Mas o que fazer? Aprender a viver um dia de cada vez, sem grandes expectativas, estando presente em cada atividade. A presença e o aqui agora auxilia a diminuir a ansiedade. Esse ano foi ausente de provas alvos, de diminuição de tempo nas corridas, então o foco mudou.

Sempre digo que o esporte faz as pessoas ficarem melhores. E essa pandemia nos mostrou o quanto os atletas são resilientes. Acostumados a lidar com imprevistos nos treinos e provas, a lidar com lesões, com possíveis dificuldades durante as provas, isso já faz com que sejam resilientes. Mas foram postos a uma prova mais difícil, mudar a forma de treinar e aprender as novas formas de fazer as provas com novos protocolos e a lidar com novas emoções e sentimentos.

E então o ano passou, com todos fazendo o que gostam, treinando de outras formas. Mas treinando.

Que incrível é perceber a perseverança, a força de vontade, o desejo de cumprir seus objetivos no esporte. Os atletas são de fato seres muito especiais. Enfrentam as dificuldades, continuam em frente apesar de todas as mudanças.  

Feliz 2021, que possamos usar todo o aprendizado desse ano para alcançarmos nossos objetivos.

O importante é não desistir e acreditar que dias melhores virão. Conectar nossa mente nossos desejos, com nossas emoções positivas.   E que mesmo tendo que nos ressignificarmos o atleta que existe dentro de cada um permanece mais vivo do que nunca.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.