Aeróbico x Treino de Força

Por: Prof. Dr. Ricardo Zanuto*

Muitos pacientes quando me procuram aqui no consultório ficam espantados quando, após avaliação clínica, fisiológica e metabólica, identificamos o elevado percentual de gordura corporal. É quando o consenso fala mais alto e quase que por unanimidade, muitos já saem prevendo: “…como minha gordura está alta, devo fazer pelo menos 1 hora de aeróbio por dia?…” para imediatamente se verem surpreendidos pela minha recomendação: “Não! Para queimar a gordura você deve treinar força!”… Mas como isso?

Para explicar isso podemos citar uma pesquisa de 2012, pesquisadores de Harvard identificaram um novo hormônio produzido pela musculatura esquelética, chamado de IRISINA (o termo é uma homenagem à ÍRIS, na mitologia grega, considerada a “mensageira dos Deuses”). Este hormônio atua no tecido adiposo branco convertendo-o em marrom promovendo maior gasto energético e melhora na intolerância à glicose. Assim, níveis mais elevados de IRISINA circulante podem trazer benefícios sistêmicos significativos sobre o metabolismo energético de forma geral.

Corroborando com esta hipótese, em outubro de 2015, um grupo de pesquisadores com o objetivo de identificar qual o tipo de exercício físico seria mais eficiente no aumento da IRISINA sérica, realizaram um estudo bem interessante. 28 (vinte e oito) indivíduos com sobrepeso/obesos foram divididos em três grupos: grupo controle (GC – sem exercício); um grupo realizando apenas treinamento aeróbio (TA) e outro grupo realizando treinamento resistido (TR). Ambos os grupos foram submetidos a um programa de 8 semanas, 5x por semana e 60 minutos por dia.

Ambos grupos, TA e TR, melhoraram significativamente parâmetros antropométricos, VO2 máximo e força muscular quando comparados ao controle. No entanto, a circulação sérica da IRISINA foi significativamente maior no grupo TR e não alterou no grupo TA quando comparado ao controle. Além disso, o estudo identificou uma correlação positiva entre a circulação sérica de IRISINA e o volume de massa muscular, enquanto que uma correlação negativa entre a circulação sérica de IRISINA e a massa de gordura.
Dessa forma, o presente estudo verificou um aumento na circulação sérica de IRISINA em indivíduos em sobrepeso/obesos que praticaram exercícios de resistência por 8 semanas, sugerindo que o treino resistido pode ser um método terapêutico bastante eficiente, considerando as alterações na composição corporal junto com o aumento nos níveis séricos de IRISINA.

Embora este seja o primeiro estudo apontando estas evidências, se você se encontra neste quadro de sobrepeso ou obesidade, o treinamento resistido pode trazer muito mais benefício do que você imagina, portanto VÁ TREINAR FORÇA!!

FONTE: Kim H, Lee HJ, So B, Son JS, Yoon D, Song W. Physiol Res. 2015 Oct 8. Effect of aerobic training and resistance training on circulating irisin level and their association with change of body composition in overweight/obese adults: a pilot study.

* Dr. Ricardo Zanuto é nutricionista esportivo, professor doutor em Fisiologia Humana.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.