Como evitar alterações gastrointestinais em provas de endurance?

POR ANA PAULA MARTINS – Alterações gastrointestinais são comuns em atividades de endurance, principalmente em atividades de longa duração, reduzindo o desempenho esportivo

Os sintomas mais relatados são:

Náuseas, vômitos, eructação, azia e dor torácica;
Distensão abdominal, cãibras abdominais, dores nas laterais, vontade de evacuar, diarreia, sangramento intestinal.

As causas do desconforto pode ter relação com a genética, histórico prévio de desconforto, sexo, temperatura do ambiente, fatores fisiológicos, mecânicos e nutricionais.

Dentre os fatores nutricionais, podemos destacar o consumo de fibras, gorduras, proteínas, frutose, leite e derivados sendo o maior risco de sintomas gastrointestinais. A cafeína em pessoas sensíveis e com histórico de desconforto pode acarretar urgência para evacuar, diarreia e dor abdominal, pela ativação de alguns hormônios como a gastrina e colecistoquinina.
O uso de suplementos de forma desordenada e excessiva, e até mesmo sem testes preliminares em treinos, pode acarretar em desconfortos gastrointestinais.

A maioria dos suplementos, possuem uma quantidade elevada de produtos químicos, como é aromatizantes, adoçantes artificiais e corantes, o que pode aumentar o risco dessas desordens.

A fim de prevenir os desconfortos, evite alimentos ricos em fibras no dia anterior a prova e no dia da competição, assim como nos treinos mais longos e preparatórios. Por exemplo: no jantar do dia anterior, prefira consumir um refogado de espinafre do que uma salada verde.

Treine também seu intestino, e isso parte da observação. Perceba o que se passa durante a prova, km a km, quais suas reações após consumir determinado produto, note se houve alguma alteração, se sentiu algum mal estar.

Mescle o uso dos carboidratos na prova, evite o uso excessivo de suplementos industrializados, não que não sejam uteis, mas evite utiliza-los na prova inteira.

Alguns carboidratos que podem ser usados no lugar dos suplementos a base de carboidrato:
– Frutas secas (tâmaras, passas, banana seca)
– Frutas com pitada de sal
– Batata bolinha cozida
– Batata doce
– Purê de batata doce com azeitona (coloque em saquinhos de sacolé)
– Rapadura
– Cana
– Água de coco

Nutricionista, formada há mais de 15 anos. Especializada em nutrição clínica, fitoterapia e em nutrição esportiva, pelo Centro de Ensino Valéria Pascoal.

www.nutrianapaulamartins.com.br
@nutrianapaulamartins

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.