Correr ou não correr eis a questão!

POR WANIA SIERRA RENNÓ –  Nos meus artigos anteriores eu falei da psicologia como instrumento de auxilio nas corridas.  Mas agora vou falar da importância da corrida na nossa vida mental.

Vivemos num mundo onde a urgência está cada vez mais presente. A facilidade que temos de acessar quase tudo da nossa vida pelo celular, nossa conta corrente, nossos e-mails, falamos por mensagens o dia todo nos grupos da família, dos amigos, do trabalho, falamos com clientes, temos aplicativos para quase tudo em nossa vida.  Estamos conectados o dia todo pelo celular. Nem percebemos que na maioria das vezes toda essa facilidade nos estressa. Passamos o dia tentando cumprir mais tarefas no nosso trabalho do que o tempo real nos permite.  O tempo está passando cada vez mais rápido, é assim que sentimos. Mas será que é isso mesmo?  Ou será que fazemos coisas demais no nosso dia e nem percebemos o tempo? Estamos expostos ao stress diariamente. O trânsito, o sedentarismo, as exigências que fazemos a nós mesmos, uma enxurrada de emoções, que muitas vezes não sabemos lidar, a noite mal dormida, o cansaço, a depressão, a ansiedade. Somatizamos tudo aquilo que nossa mente não dá conta, jogamos para o corpo, então nosso corpo sente o peso desse dia a dia estressante e podemos ficar doentes.

Fazemos escolhas o tempo todo em nossas vidas. Eu sempre pergunto para as pessoas o que as levam a praticar corrida. Escuto as mais variadas respostas. Mas no fundo todas querem dizer a mesma coisa: Buscar equilíbrio físico e qualidade de vida.

Sabemos que a corrida traz inúmeros benefícios a nossa saúde física e mental. Principalmente no equilíbrio das nossas emoções. Não vou me ater aos benefícios físicos. Mas gostaria de falar sobre os benefícios psicológicos.

A corrida pode ser um grande instrumento de ajuda psicológica. Equilibra nosso humor, colaborando com  o  controle do stress.

A nossa autoestima melhora quando percebemos o poder que temos de conquistar mais velocidade ou mais quilômetros em cada prova que fazemos. Essa sensação de superação pode refletir diretamente em nossas atividades diárias. Atua como motivação   para alcançar nossos objetivos pessoais. Novas provas, novos desafios nos trazem a flexibilidade que precisamos no nosso dia a dia. Juntamos o desafio com a persistência.

Nos ajuda a enfrentar o nosso envelhecimento de forma mais tranquila. Nossas habilidades físicas nos trazem juventude emocional.

A corrida nos conecta com nosso eu. Enquanto você corre, você tem a sua própria companhia, seus pensamentos, suas emoções podem ser mais sentidas. Mesmo que você corra com um grupo, você está sozinho. Não solitário! Sozinho! Quantas sensações somos capazes de sentir quando fazemos uma longa prova? Podemos nos divertir observando nosso caminho, podemos ter insights a respeito de nosso trabalho, de nossa vida pessoal. A corrida nos traz disciplina necessária para o nosso cotidiano.

Nos traz resistência. Aguentamos correr horas dependendo da prova que estamos fazendo. O que nos auxilia a ter maior resistência mental. Ajudando a olharmos nossa vida com outros olhos.  Podemos elaborar melhor nossos problemas sem somatizar. Nossa mente se fortalece, nós nos fortalecemos como pessoas. Passamos a ter outra conexão, nessa hora não com o celular, mas com nosso eu.

As nossas energias se movimentam com a corrida. Nos sentimos mais despertos, mais vivos, mais focados na nossa vida. esse foco que criamos trazemos para o dia a dia.

Então você escolhe : Correr ou não correr,  eis a questão!

Wania Rennó é psicóloga Clínica e do Esporte, diretora do Núcleo de Integralização Humana
Facebook: wania.r.sierra
Instagram: waniarenno
www.nihumana.com.br

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.