Minha Primeira Maratona – Semana 4

POR ANDRÉ FERRAZ – Fala galera, tudo bem? Mais uma semana que se encerra. O final do primeiro mês de treinos e de muitas novidades para o meu corpo.

Como contei anteriormente, nunca fui de correr e a distância máxima que havia percorrido até então foi em uma prova de 5 Km. Nesse primeiro mês, acredito que enfrentei os meus maiores medos e desafios. Os primeiros 10 Km, depois 12 Km, 14 Km até esse último domingo que alcancei os primeiros 16 Km da minha vida.

É muito interessante poder compartilhar com vocês essas histórias do meu dia a dia de treino. Tem sido realmente uma experiência incrível que por muitos pode parecer loucura e para outros um belíssimo desafio.

De bate pronto digo: só façam isso se realmente estiverem bem assessorados e com um acompanhamento de uma equipe de médicos, fisioterapeutas, nutricionistas e de um treinador especializado no assunto.

Dia a dia venho conhecendo melhor o meu corpo e por incrível que pareça, já deixei para trás 4Kg. Isso me ajudou muito a correr me sentindo mais leve.

Nessa quarta semana, os treinos de tiro entraram na minha rotina, confesso que me assustaram um pouco (rsrsrs). No primeiro dia de tiros, foram logo 16x de 200m.

Só que nem tudo aconteceu da melhor maneira possível nessa 4ª semana. Com toda a rotina de trabalho, ainda incluÍ semana passada um jogo de futebol. Esporte esse que sempre pratiquei e que não abro mão mesmo com a rotina de treinos para a maratona. Acontece que com toda a sobrecarga de jogo, dormindo tarde e acordando cedo, no treino da última quinta feira de 9 Km progressivos tive que parar no quilômetro 8. Senti fortes dores na região anterior do meu joelho direito.

Fiquei realmente chateado e com uma interrogação na cabeça! Será que meu corpo não iria aguentar a carga de treinos?

Bom, descansei, tratei e esperei domingo para fazer meu longão de 16 Km. Não foi a corrida mais confortável, afinal fui sentindo meu joelho do primeiro passo até o último. Porém, completei a distância e a satisfação veio com a sensação de dever cumprido.

Gelo, gelo e mais gelo foi a minha rotina de domingo para controlar a dor.

E assim seguimos forte rumo aquela missão que parecia ser algo impossível de se realizar. Impossível seria se eu não tentasse!

Seguimos forte rumo a maratona!

Até semana que vem!!

“O Impossível Somos Nós”

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.