Minha Primeira Maratona – Semana 5

Fala galera, tudo bem? Preparação a mil por aqui. 5ª semana concluída com sucesso. Novos desafios traçados e muito suor deixados nas ruas e nas pistas de corrida.

Última semana de treinos antes das minhas férias de 15 dias. E, como sempre tudo muito corrido e o desafio de encaixar os treinos na rotina. Dessa vez o problema foi encaixar o longão de 18 Km no final de semana. Tive que deixá-lo para segunda feira pois dei aula fora de São Paulo no sábado e no domingo.

Nessa semana, meu treinador (Emerson Bisan) programou da seguinte forma:

Terça Feira – 14 tiros de 400 metros com 45 segundos de descanso.

Ocorreu tudo bem, inclusive meu joelho direito que vinha sentindo nos últimos dias, aguentou super bem até o final.

Quinta Feira – 6x de 1500 metros progressivos a cada 500 metros.

Treino pesado que realizei na esteira por não conseguir ir para a pista do clube ou para o Ibirapuera. Quando completei a 3 série, comecei a pensar se realmente aguentaria até o final. Nem tudo que parece ser fácil, realmente é. Cheguei na academia quase as 22:00. Cansado após ter acorda as 4:50 da manhã. São nesses momentos que tento utilizar como bagagem para trabalhar a minha mente em situações adversas. Cansaço mental e físico são cenários propícios para desistir dos nossos objetivos.

Quando entrei nessa corrida contra o tempo sabia de todos os desafios e sem dúvidas é isso o que mais me motiva a seguir em frente!

Meus primeiros 18 Km

Quando imaginaria correr tanto na minha vida? E ainda por cima curtir correr? Nunca mesmo. Mas a cada quilômetro percorrido, sinto o prazer de depositar meu suor nisso.

E sabe onde eu fui fazer esse treino? Na esteira! Minha ideia foi trabalhar a minha cabeça já pensando na maratona. Ficar quase 2 horas no mesmo lugar, na mesma atividade sem parar? Sim, fiz pensando que sem preparar a minha mente, de nada irá adiantar ter meu corpo pronto.

Quando se tem pouco tempo, toda experiência é válida.

Ahhhh, gostaria de aproveitar para compartilhar algo com vocês. Apesar de parecer algo simples, mas para quem nunca correu não é. Quando passei a correr a distância superior à de 12 Km, notei que além de cansado, saia com pernas e peito assados. Andei conversando muito com amigos e pacientes para ter dicas de como evitar isso. Graças a eles aprendi que passar vaselina nessas regiões evitaria essas “intercorrências”.

18 Km feitos com louvor e com gostinho de quero mais!

E assim seguimos forte rumo aquela missão que parecia ser algo impossível de se realizar. Impossível seria se eu não tentasse!

Seguimos forte rumo a maratona!

Até semana que vem!!

“O Impossível Somos Nós”

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.