O objetivo de cada treino

POR DANIELA BARCELOS – Quando visualizamos uma planilha de corrida, inicialmente percebemos a existência de diferentes tipos de treinos.

Podemos dividir os mesmos em treinos contínuos (longos, rodagens, ritmo), e intervalados.

Cada tipo de treino possui o papel de estimular sistemas diferentes, ou seja, há treinos que priorizam o sistema aeróbio e há treinos que priorizam o sistema anaeróbio. Porém dentro destes sistemas temos subsistemas que podem ser estimulados por sessões de treinos específicas para ela, mas que muitas vezes não acontece na prática diária dos corredores, justamente por não conseguirem distinguir a especificidade de cada sessão.

Por exemplo, nos treinos intervalados, temos sessões de estímulos mais curtos (200, 300 400m), estes treinos priorizam estímulos realizados em velocidades acima do VO2 máximo do atleta, e preservando a mecânica da corrida. Porém este atleta só consegue estimular este subsistema caso as pausas entre as repetições sejam mais longas e permitam que boa parte do lactato produzido, possa ser removido. Porém o que vemos na prática (ao menos na maioria das prescrições), são pausas cada vez mais curtas em treinos como este. Desta forma o trabalho da mecânica se perde juntamente com o aumento da fadiga com o passar das repetições, prejudicando o trabalho dentro deste subsistema não atingindo o objetivo do treino.

Por outro lado, as rodagens que tem a função de um trabalho mais aeróbio, também cumprirão o papel se as mesmas forem realizadas em um ritmo confortável, o qual permita correr por tempos superiores a uma hora, para estimular o músculo cardíaco e assim adquirir mais resistência e volume de treino também.

Treinos intervalados mais longos (600, 800, 1000, 1200m), priorizam um trabalho no VO2 máximo, ou seja, acumular tempo de corrida na faixa do VO2 máximo, e realizar pausas de recuperação incompletas (mais curtas do que nos intervalados de menores distâncias), a fim de simular um maior esforço do que será realizado na prova alvo. Este tipo de sessão de treino é a mais difícil em intensidade se comparado aos outros métodos.

Com estes exemplos verificamos que o treinamento de corrida envolve detalhes que podem modificar totalmente o resultado que se espera. Claro que de acordo com o corredor, diversos outros fatores variam também, como frequência semanal, volume de treino, e até mesmo os próprios métodos de treino aqui mencionados.

Cabe ao treinador verificar quais se encaixam melhor no objetivo do aluno e distribuir as fases de acordo com o tempo de preparação para uma prova alvo. Por isso que é importante definir antecipadamente as corridas, para que o tempo de cada ciclo de treino com as suas prioridades, sejam programados.

Nunca subestime uma sessão e pense nos treinos como parte de um todo. Realizar inadequadamente uma sessão pode prejudicar a semana toda e assim, consequentemente, um ciclo.

E mais importante ainda é entender o objetivo de cada treino, para realizar o mesmo conforme a sua função real, e não somente cumprir o dia da planilha.

Correr é aprender diariamente!

Bons treinos!

Daniela Barcelos tem 16 anos de experiência como atleta amadora – começou a correr em 1999. Formada em Educação Física, com pós-graduação em Fisiologia do Exercício. É treinadora de corrida em assessoria própria que leva seu nome. Conheça mais em www.danibarcelos.net.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.