Suplementação com glutamina ajuda na recuperação pós-treino

Presente em nosso organismo, esse nutriente é um grande aliado para a saúde

A glutamina é caracterizada como um aminoácido não essencial, ou seja, aquele que o corpo produz sozinho, por meio do metabolismo. É sintetizada a partir do ácido glutâmico, da valina e da isoleucina. Trata-se de um nutriente de grande importância para diferentes partes do organismo, como intestino, coração, rins, fígado e sistema imunológico.

No entanto, embora o corpo sintetize esse elemento, é muito comum que isso não seja suficiente para todas as necessidades do indivíduo e, por conta disso, seja necessária a ingestão de alimentos que possuam em sua composição a glutamina, como carnes, peixes, leite e feijão. E, quando a carência do nutriente é ainda maior, vale a inclusão da suplementação alimentar na dieta.

Quanto à importância fisiológica, a glutamina representa um importante papel: “No intestino, por exemplo, ela atua na absorção e na proliferação das células intestinais, contribuindo para a permeabilidade e para a integridade e prevenindo a deterioração do órgão. Essa substância é ainda de grande importância para a energia no sistema imune, aumentando a capacidade do corpo contra o risco de uma série de doenças, como infecções respiratórias”, explica Diogo Círico, nutricionista da Growth Supplements.

Vale saber também que em crises de estresse, traumas e infecções ocorrem mudanças na concentração do nutriente no corpo. O fígado, os rins e o sistema imunológico absorvem uma maior concentração do nutriente, sendo necessário seu consumo por meio de dieta.

No caso dos praticantes de corrida, Círico afirma que o uso da glutamina possuo dois fins: na formação de energia e na recuperação pós-treino. “Pesquisadores encontraram redução significativa de glutamina após maratonas, assim como também queda da glutamina após sessões de corrida de alta intensidade, ou períodos mais extensos de treinamento de atletismo”, diz ele.

“A glutamina atua repondo os depósitos de fosfocreatina e glicogênio muscular, pois também atua no ciclo Krebs. Em decorrência deste efeito, pesquisadores verificaram efeito ergogênico da suplementação com glutamina, com aumento do tempo de exaustão”, completa.

Para os praticantes de atividades físicas intensas como musculação, a glutamina também auxilia no pós-treino, ou seja, o momento de recuperação do atleta, e ajuda a evitar o catabolismo – o processo de diminuição da massa magra. Por esse motivo, a necessidade de consumo da substância é ainda maior.

Por fim, a suplementação deve ser realizada de acordo com a necessidade individual. É fundamental, portanto, o contato com um nutricionista especializado, que irá avaliar a dieta, as atividades físicas exercidas e o ritmo de treino que a pessoa segue.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.