Treino de base na corrida: mitos e verdades

POR DARLAN DUARTE – Começou 2019!! E é nesse primeiro mês que tentamos pôr em prática tudo o que foi planejado em algum momento do ano passado. E obviamente as mudanças que pretendemos fazer em nossa rotina costumam dominar a lista de metas.

E quando falamos de corrida, isso pode ser uma nova distância, um novo pace, correr uma prova num país diferente…

Porém, para que isso se concretize, o primeiro passo é ter um bom planejamento de treinos, correto? Nesse cenário, tanto entre corredores mais experientes quanto os próprios treinadores, a afirmação “É início de ano. Precisamos fazer treinos de base” vem sendo repetidamente falada, quase que como um mantra.

Mas afinal, o que é treino de base?

O treino ou período de base é o momento no planejamento de sua corrida que, como o nome já diz, irá construir sua base para o restante da temporada.

Segundo os princípios do treinamento e a periodização tradicional (já questionada. Mas isso fica para outra oportunidade), nossos ciclos de treinos são divididos em: Fase Preparatória, Pré- competitiva, competitiva e de transição.

O período de base entra exatamente na fase de preparatória, dividida em fase BÁSICA e específica. O principal objetivo é treinar e consolidar todas as capacidades físicas que darão sustentação para um melhor desempenho na corrida, dentre elas: força, flexibilidade, mobilidade, coordenação, resistência cardio e muscular.

Mas ainda existe muita confusão sobre a necessidade e momento certo para esse ciclo. Por isso, separei aqui alguns mitos e verdades sobre esse termo que ganha cada vez mais espaço entre os corredores.

Devo sempre fazer um período de base no início do ano – MITO

Considero essa a questão mais controversa e onde ocorrem os maiores erros, principalmente entre treinadores de corrida, responsáveis por elaborarem o calendário de seus corredores.

Quando falamos de esporte de alto rendimento que iniciam seu ciclo esportivo em janeiro, sem dúvida o período de base é fundamental. O atleta vem geralmente de um período de férias, onde ocorre perda de condicionamento físico em geral.

Mas quando falamos de um público COMPLETAMENTE heterogêneo como o corredor de rua amador, com experiências, objetivos e rotinas completamente distintas, colocar todos no “período de base” em janeiro é um grande erro. Muitos podem estar no pico de sua preparação para alguma prova logo nos primeiros meses de 2019. Outros não tiveram um ano tão desgastante e se mantiveram ativos.

Em resumo: o treino deve ser de acordo com a fase atual do corredor, e não da passagem de ano.

O treino de base é essencial para a corrida  – VERDADE

Não apenas na corrida, mas como em qualquer esporte, fazer um período de base é fundamental, pois sem ele seu corpo terá dificuldades de ser exigido ao máximo no decorrer do ano.

O período de base ajudará a recuperar aquela flexibilidade perdida, a força / explosão desejada e o fôlego habitual quando se está no ápice da forma física.

A fase de base é como um alicerce de um prédio: Você só conseguirá sustentar de pé se tiver trabalhado uma condição bem sólida e consolidada, para sustentar os impactos diários e naturais do ambiente.

Na fase de base devo correr menos e mesclar com exercícios de fortalecimento  – MITO

Dentre corredores é muito comum ter a ideia que na fase de base se deve correr menos do que o normal e mesclar, na mesma sessão de treino, a corrida e exercícios de fortalecimento. Isso é um grande EQUÍVOCO.

Quando falamos de corredores iniciantes, ou pessoas que não tem tempo suficiente para fazerem sessões independentes de fortalecimento e corrida, faz sentido haver essa mesclagem.

Porém, o que define a fase de base é o treinamento das capacidades físicas de forma geral, que começam com menor intensidade e vão subindo gradualmente, e não necessariamente a mesclagem de fortalecimento e corrida numa mesma sessão.

Será muito mais produtivo, em se tratando de um corredor com mais bagagem, fazer sua fase de base treinando fortalecimento e cardiovascular em sessões distintas. Dessa forma ele consegue destinar um maior tempo cada capacidade, acelerando o processo de ganho de condicionamento.

Por isso, nesse começo de ano, procure conversar com seu treinador. Entenda, antes de imaginar que só porque é janeiro precisa fazer esse tal período de base, se você não está numa fase completamente diferente por conta de uma meta.

Numa corrida de rua, todos largam juntos e vão para uma mesma direção. Mas quando falamos de preparação individual, cada um estará num ponto diferente dessa jornada.

Diretor Técnico e fundador da PACE FIT Assessoria Esportiva e RUNPLACE Treinamento de corrida Online. Profissional de Educação Física graduado pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Pós-graduado em Biomecânica do Esporte e Treinamento Desportivo na Faculdade Metropolitana Unida (FMU)

www.pacefit.com.br
Instagram – @darlanduarte

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.