Tendinite de Calcâneo: o pesadelo dos corredores

A tendinite de calcâneo, conhecida também como tendinite de Aquiles, é uma inflamação no tendão que liga o músculo da panturrilha ao osso do calcâneo. Este tipo de tendinite é comum entre os corredores, tendo em vista que a inflamação é decorrente de um possível trauma ou sobrecarga.

“O tendão calcâneo é a estrutura que liga o músculo da panturrilha ao calcanhar. A panturrilha (tríceps da perna) é um dos principais responsáveis pela impulsão do corpo na corrida e amortecimento de impacto a cada passada. Por ser um músculo muito exigido nessas tarefas, ele está exposto a grandes sobrecargas e por isso tem um alto risco de apresentar lesão”, explica a fisioterapeuta e mestre em biomecânica da corrida, Raquel Castanharo.

Pessoas que possuem a pisada errada e que ao correr aterrissam com a parte posterior do pé, também têm propensão de ter a tendinite de calcâneo. O ideal é que os praticantes de corrida tentem dividir o peso por toda a sola do pé para que o calcanhar e o tendão não fiquem sobrecarregados.

Os sintomas mais comuns da tendinite de calcâneo são: rigidez do músculo, dores no calcanhar e na sola do pé, assim como na panturrilha e no tendão. A inflamação pode ser evitada com aquecimentos adequados antes de treinos e competições.

“Aquecer e ativar a musculatura utilizada na corrida, são pontos chave na preparação do atleta”, destaca o fisioterapeuta André Nogueira, da Club Fisio. “Amortecer bem o impacto na corrida, tentando correr fazendo o mínimo de barulho possível, ajuda a reduzir o risco dessa lesão”, acrescenta Raquel Castanharo.

A avaliação feita previamente por um profissional pode evitar outros tipos de lesões. “O primeiro passo é realizar uma boa avaliação para detectar possíveis alterações no padrão da corrida. Após isso, modificar os hábitos dos corredores e inserir na planilha de treinamentos, exercícios de ativação e fortalecimento da musculatura do quadril, coxa e da panturrilha, fundamentais para a corrida”, recomenda o fisioterapeuta.

O uso de calçados específicos pode contribuir para evitar algumas lesões, pois “os tênis podem influenciar quando, por exemplo, a pessoa apresentar pisada de um determinado jeito (Ex. pronada), e o tênis for para correção de uma outra pisada (Ex. Supinada)”, explica André Nogueira.

O tratamento da tendinite de calcâneo pode ser feito com compressas de gelo, analgésicos (quando prescritos pelo médico) e sessões de fisioterapia. De acordo com Raquel Castanharo, o atleta deve ficar afastado dos treinos de 3 a 4 semanas. “Isso depende também da gravidade da lesão e o nível do atleta”.

Raquel Castanharo – www.raquelcastanharo.com

André Ferraz Nogueira, Club Físio – www.clubfisio.com.br

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.